Algumas coisas não podem ser faladas de forma mais clara.

A verdade

A verdade

O inferno

O inferno

O sábado

O sábado

A morte

A morte

A salvação

A salvação

O arrebatamento secreto

O arrebatamento secreto

O dom de línguas

O dom de línguas

A alimentação

A alimentação

Esperamos que este projeto desperte sua curiosidade. Não pretendemos saber “toda a verdade”, mais sim nos aproximar à ela, por isso lhe convidamos à compartilhar suas descobertas sobre o livro mais fascinante que existe.

Condições de utilização

Agradecemos-lhe que não copie ou distribua este produto sem nossa autorização escrita. Queremos lhe ajudar más também precisamos de sua ajuda. Para os canais de TV e rádios que estejam interessadas no projeto, podem nos escrever e entraremos em acordo sobre a transferência dos direitos. Todos os episódios da série estão registados a nível internacional.

COMENTARIOS

Se reserva el derecho de aprobar, ocultar o excluir comentarios que sean ofensivos y que denigren la imagen de cualquier persona o institución. No se responderán consultas sobre este asunto. Serán aceptados en este espacio solo comentarios relacionados a noticias y artículos y no anuncios comerciales. Por favor, mantenga todos los comentarios respetuosos y corteses con los autores y con otros lectores.

  • Edson Castro

    olá sou adventista do 7º dia em Brazil sp – gostaria de haver a serie completa : a verdade 2 minutos > em portugues brazil

  • Alan, muito obrigado por seu comentário e perguntas.

    Na verdade, nosso vídeo sobre a morte não abordou o assunto do inferno, que pelo visto é basicamente o tema em torno do qual giram seus comentários. Não discordamos de que o inferno seja mencionado na Bíblia. De fato, aparece tanto no Antigo (Dt 32:22; Sl 9:17; Os 13:14) como no Novo Testamento (Mt 5:22,29,30; 10:28; 16:18; 23:33; Mc 10:43; Lc 12:5; 16:23; Tg 3:6; II Pe 2:4; Ap 1:18; 20:14). Contudo, note que o ensinamento bíblico sobre o inferno não é exatamente aquele que herdamos, no Ocidente, tanto da cultura grega como da tradição católica.
    A maioria dos textos bíblicos associam o inferno a um momento de condenação e juízo finais quando os impenitentes serão definitivamente destruídos; não o descrevem como um lugar físico situado em um mundo espiritual ou universo paralelo onde, neste exato momento, as pessoas estariam padecendo tormentos eternos e “pagando” pelos seus pecados (esta imagem grotesca foi durante séculos exaustivamente retratada pela arte sacra europeia, com fins didáticos e doutrinários; ver, por exemplo, o quadro “A Divina Comédia”, de Dante Alighieri, ou o poema “Eneida” de Virgílio).
    O profeta Malaquias revela aos crentes fiéis que os ímpios, depois de destruídos, “se farão cinzas debaixo das plantas de vossos pés”, e afirma que isto acontecerá “naquele dia” que o Senhor Deus preparou (Ml 4:3). Esta crença é conhecida como aniquilacionismo, e tem sido defendida ao longo dos séculos por cristãos e teólogos sinceros de diferentes confissões religiosas, não apenas pelos adventistas.
    Sua dúvida parece basear-se na ideia, bastante popular, de que o homem é um ser dividido em alma e corpo, e na crença espírita de que estas duas entidades se separam por ocasião da morte do indivíduo. A Bíblia não ensina isto. Diz que o homem É uma alma, e não que TEM uma alma (Gn 2:7). Diz que, depois de morto, o indivíduo “não tem parte em coisa alguma no que se faz debaixo do sol” (Ec 9:6). E, finalmente, fala da ressurreição, uma ideia inconcebível se o corpo e alma, de fato, fossem coisas separadas ou viessem a se tornar entidades independentes, por exemplo, na morte ou num processo cíclico de reencarnação.
    Quanto ao inferno, note que às vezes aparece na Bíblia meramente como sinônimo de “morte”, se considerarmos o paralelismo típico da literatura e do pensamento hebreu (ver, por exemplo, II Sm 22:5,6; Sl 6:5; Pv 5:5; Os 13:14 ou Ap 1:18 e 20:14). Outras vezes, em algumas Bíblias, a palavra original para “inferno” (Hades, Seol ou Gehenna) nem mesmo é traduzida ou é substituída por um sinônimo como “abismo”, “sepultura”, “cova”, “além” ou “profundo abismo” (Nm 16:33; Jó 17:13; Sl 6:5; Is 5:14; Ez 32:21; Am 9:2). Por exemplo, o salmista Davi falou da possibilidade de fazer uma cama para ele no “inferno” (abismo, Seol), e o profeta Jonas, depois de engolido pelo grande peixe, afirmou que estava no “ventre do Seol” (inferno), e é pouco provável que naquele momento, embaixo d´água, ele estivesse de fato no “inferno de fogo ardente” (Jn 2:2). O próprio Cristo esteve, por assim dizer, no “inferno” (sepultura, morte) de onde saiu vitorioso, conforme a profecia (Sl 16:10; At 13:35,36; I Co 15:42). Se o inferno é um lugar preparado exclusivamente para os perversos e maus, por que Jesus iria lá? Na verdade, Ele não foi fazer uma visita amistosa ou casual ao “inferno”. O que Ele fez foi descer à sepultura (Seol) para ali vencer a morte (I Jo 2:8; I Co 15: 14, 26, 55) antes de, perante o universo, reaver o pleno domínio da Terra (Mt 4:8,9; Jó 1:6), perdido por Adão quando o pecado e a morte entraram no mundo (I Co 15:22,45). O texto de I Pedro 3:13-22 pode ser melhor entendido à luz desta perspectiva.
    A crença católica acerca do inferno de fogo eterno chegou ao Cristianismo no fim do segundo século d. C., e daí, infelizmente, passou ao Protestantismo. Este dogma não é compatível com o conceito de um Deus de amor, interessado verdadeiramente na felicidade de Suas criaturas. A Bíblia fala, sim, de um castigo eterno e de um fogo eterno, com consequências eternas, mas que existirão num momento pontual, e que durarão apenas o tempo necessário para cumprir o seu propósito de consumir e aniquilar o pecado para sempre, não deixando “nem raiz nem ramo”, mas apenas cinzas (Ml 4:1), como ocorreu com as cidades de Sodoma e Gomorra que foram punidas com “fogo eterno” (Gn 19:24; Jd 7). Assim como o fogo de Sodoma e Gomorra se apagou, também se apagará o “fogo do inferno” (lago de fogo e enxofre), exatamente como a Bíblia descreve em Apocalipse 20:14,15 e II Pedro 3:10,12. Outra coisa importante, é que o juízo final é considerado “a estranha obra de Deus” já que, em princípio, o inferno de fogo ardente não se destina ao ser humano, mas ao diabo e seus anjos (Mt 25:41; Ap 20:10).
    Caso deseje saber mais sobre este assunto ou tenha alguma outra questão a esclarecer, não hesite em pôr-se em contato conosco. Será um prazer e uma alegria compartilhar nosso ponto de vista e pesquisar com o coração aberto, de boa-fé, e sem preconceitos ou pressuposições de partida, aquilo que as Escrituras nos ensinam. Receba de nossa parte um abraço fraterno!

  • Thiago, obrigado por comentar e compartilhar o vídeo!
    A questão da música levaremos em conta para as próximas produções.

  • Obrigado pelo comentário, acreditamos que o mais importante é seguir a Bíblia em vez de uma denominação.
    Um abraço fraterno.

  • Jhunior Sergio

    No vídeo sobre o Inferno é citado que a parábola do rico e lázaro é uma lenda egipcia da história de barmayan, mas não encontrei nada sobre a mesma. Que lenda é está?

  • Rodrigo Valério

    Boa noite, gostaria de saber se tem previsão para traduzir os novos videos que sairam em espanhol… a biblia e desenho…. ou já estão disponiveis?

    • Olá obrigado pelo interesse, infelizmente não estão disponíveis e não há uma previsão. Se você deseja colaborar podemos conversar. Um abraço.